Guias de Viagem e Arte

 
 
fev 09 2007

Simplesmente humanos … (A Saga do Caminho 16)

Carrión de Los Condes – Sahagún: 41,88 Km

Mau-humor no ar, não do meu lindinho, e sim da que vos fala! Eu nem me lembro o que me deu, só sei que a saída foi “heavy”! E não era um bom dia para dar “tchutche”, porque de Carrión de Los Condes até Calzadilla de la Cueza eram 17 quilômetros no meio do nada! Mas porque simplificar quando se pode complicar, e foi assim! Eu com um bico nas alturas e caminhando em uma antiga via romana do ano 118 d.C.
Caminho de Santiago Francês

Originalmente esta estrada romana unia o norte da Gália (França) com a costa mediterrânea, e durante a Idade Média também se passou a chamar de Aquitânia, outra estrada romana – a 34, que unia Bordeaux (França) a Astorga (Espanha). Na real a que cruzamos é a 34! Também conhecida como Ab Asturica Burdigalam. E neste trecho ela foi conservada e desde a Idade Média é utilizada pelos peregrinos que vão a Santiago de Compostela.
Caminho de Santiago Francês

O que lhes vou a contar … não é nada fácil andar dezessete quilômetros sem ver um povoado, sob o sol, ainda mais com “mala leche” … O silêncio as vezes aflige … estamos em Castilla y León, a comunidade plana, em uma via histórica, isto tudo nos faz pensar. Uma dica: o melhor é cruzar os doze quilômetros da Via Aquitânia, mais o cinco quilômetros até Calzadilla pela manhã, primeiro porque estamos com todas as baterias carregadas, e segundo porque dizem que pela tarde os mosquitos podem molestar!

Calzadilla de la Cueza é uma cidade pequena, mas com albergue. Muitos peregrinos acabam o dia por aqui depois do sol na cabeça por tantos quilômetros, nós seguimos. O que fizemos foi comer um bocadillo e descansar 30 minutos.

Quando estávamos chegando em Terradillos de Templarios (eu já não estava de mau-humor!!!) aconteceu algo bem louco e em certa medida divertido. Tinhamos muita energia, íamos a um bom ritmo e na chegada do povoado passamos por três senhoras, nós não íamos parar neste povoado, mas passamos pelo albergue para carimbar nossa credencial e tomar algo gelado, fazia muito calor. As senhoras pensaram que nós estávamos correndo para conseguir vaga no albergue e quando chegaram no dito albergue nos empurraram para passar na frente. Eram SENHORAS, mas sabe o que acontece, a necessidade e o cansaço podem gerar atitudes tão mesquinhas como estas, por isso nada de se exaltar, este é um caminho feito por pessoas para outras pessoas que caminham para a tumba do santo, mas que não são santas. E pensando bem nem o santo era tão santo, pois quando voltou para ajudar aos castelhanos matou um montão de mouros, isso é coisa que se faça! Se até o santo tem este tipo de atitude, imagine o que nós meros seres mortais podemos fazer!!!!

Saindo de Terradillos se alcança depois de alguns quilômetros a fronteira de Palencia com outra provincia – León, e da fronteira logo se chega a Sahagún, a parada final.
Caminho de Santiago Francês

Chegamos tarde, mas conseguimos lugar em um albergue localizado dentro de uma antiga igreja do século XVI. Tivemos que dormir no chão e um em cada “quarto”, mas não importava muito, estávamos cansados e depois da comida dos justos, desmaiamos … e ficou a “anedota” do dia, a partir daquele momento, toda hora tocávamos no assunto das velhinhas do Antonio, porque ele ficou meio chateado com esta história, e elas acabaram virando suas velhinhas.

Se quer fazer o caminho, venha aberto, nada de idealizar o caminho ou os peregrinos, como se diz na rua: são gente como a gente, ou seja, capazes de atos de extrema bondade e de extrema estupidez!

Posts relacionados:
Tudo que é bom … (de Saint-Jean-Pied-De-Port a Roncesvalles)
Dificuldades … (de Roncesvalles a Zubiri)
Eu x Eu (de Zubiri a Cizur Menor)
Perdão e Reflexão (de Cizur Menor a Puente de la Reina)
Eu necessito … (de Puente de la Reina a Estella)
Da fonte de vinho a pocilga (de Estella a Los Arcos)
A chegada a La Rioja (de Los Arcos a Logroño)
Um lugar abençoado por Deus … (de Logroño a Ventosa)
O importante não é chegar … é ir! (de Ventosa a Santo Domingo de la Calzada)
O primeiro grande desafio (de Santo Domingo de la Calzada a Montes de Oca)
Divagações em Atapuerca (de Montes de Oca a Agés)
Os grandes tesouros (de Agés a Burgos)
Feliz na Aldeia Global! (de Burgos a Hontanas)
Gente de todas as cores e sabores … (de Hontanas a Boadilla del Camino)
Da obra gigantesca ao pequeno milagre da vida! (de Boadilla del Camino a Carrión de los Condes)

Imagens: turomaquia_2006

2 Comentários

  1. Silvia Oliveira

    Boa essa de NÃO idealizar as pessoas, o caminho. Porque a gente sempre acaba idealizando… acha que vai encontrar só convertidos, gente boazinha e tooodo tempo feliz e disposta. Só temos de saber diferenciar bem uma exaustão física da mais pura falta de educação. Ah, que bom… você voltou!

    responder
  2. Turomaquia

    É verdade Silvia, mas acho que o caminho também te ajuda a ver o óbvio, ninguém é perfeito! E não sei porque a gente insiste com esta maldita ilusão, que apenas cria feridas e faz sangrar o coração … Realmente não sei o que me passa, acho que é porque me voy a casar muy, muy pronto …Besos

    responder

Siga o Turomaquia no Instagram

Instagram

  • “Ela quer ser seu território” (“Amiga de juventude” de Alice Munro).
#laspalmasdegrancanaria #quotes🖋 #literatura #alicemunro #cactos🌵
  • Detalhes de um restaurante que eu amei @casagalleta Atendimento perfeito do Andrei.
#espanha🇪🇸 #madri #restaurante #casagalletta #ondecomermadri
  • O lugar mais louco e surpreendente da última viagem: os jardins da Granja de San Ildefonso com suas 26 fontes monumentais ⛲️⛲️⛲️
#segovia #espanha🇪🇸 #palacio #granjadesanildefonso #fonte
  • As temperaturas caíram dez graus, mas ainda tá perfeito para um tinto de verano. Mais tarde vou mostrar como se faz o tinto 😜 comprei até gaseosa 😉 Este tomei no almoço no VIPs, a cadeia de fast-food que eu adoro, mas o tinto de verano deles não vale muito a pena. Era sobre isso que eu estava falando com o Tom 🤪
#tintodeverano🍷 #espanha🇪🇸 #laspalmasdegrancanaria #drinks🍹
  • Finalização do nosso prato de atum no Bibo Garcia. Um tataki de atum de almadraba (forma tradicional de captura) de Barbate (cidade na província de Cádiz) numa cama de uma espécie de gazpacho de pimentos vermelhos e sobre o atum, bolinhas geladas de azeitona negra, que é o que se prepara na frente do cliente. Sabor incrível e o melhor atum que já provei! 
@bibodanigarcia #madri #foodporn #greatexperience #danigarcia
  • Uma das habitações simplesinhas da casa do século 18 que abriga o lindo e interessante Museu do Romanticismo. Já mostrei o café do museu aqui no Instagram. A entrada custa apenas 3€.
#madrid #museum #romantismo #espanha #palacio

Follow Me!