Guias de Viagem e Arte

 
 
out 20 2010

Torre de Londres: como vivi a visita

Era setembro, primeiro dia e primeira vez em Londres. Saímos do hotel, éramos 3 e todas decididas a “caminhar a cidade”. Na mão, um antigo passe do metrô com uma foto. Primeira parada: Torre de Londres. A entrada era cara, mas afinal tudo era caro em Londres. Em uma viagem de 3 semanas, sendo Londres o primeiro destino, quando saímos da cidade já tinhamos gasto 2/3 do nosso orçamento (risos).

Torre de Londres

Naquela cidade que fervia, era só passar a porta de entrada da torre para entrar num remanso de paz. Tudo era tão surreal, aqueles corvos pretos até o infinito, sem contar aqueles senhores de vermelho e preto que nos sorriam com uma facilidade abismal. Tudo levava a pensar, e o melhor, a sentir que se entrava em uma outra época.

Torre de Londres Torre de Londres

Uma época de reis, rainhas, traições, enforcamentos, assassinatos em nome do poder (ok, nem tão diferente da nossa!). De vestidos de esmagar costelas, carruagens e tudo que a imaginação remete quando falamos de Alta Idade Média e Renascimento.

Torre de Londres

Era tudo tão legal. Meio pobre este vocabulário, hehehe, mas é que nos sentíamos meio atordoadas com a mudança radical de ambiente. Era tudo realmente … LEGALLLL. Sem saber para onde ir, nos metemos na primeira visita guiada com aqueles senhores ultra simpáticos estilo flamengo ou atlético paranaense. Alucinante, hoje estou mais para seriado de adolescentes hehehe, mas era isso mesmo! Eu me perdia naquele sotaque britânico, e mesmo assim me diverti horrores. Era uma mistura de professor de história com tia-avô fofoqueira, contava as fofocas das cortes, as intrigas, mudava de tom de voz, fazia ar de mistério, como devia ser toda visita guiada que se preze, afinal estamos de férias ou “ em ócio”!

Uma hora depois, entramos nas salas das jóias da coroa. Passamos uma porta blindada, super gorda, e quase não conseguia manter os olhos abertos diante daqueles diamantes e esmeraldas tamanho extra-large. Espetacular!!! Passamos pela coleção de armaduras, e como éramos 3 mulheres discutimos as diferenças de tamanho de diferentes partes dos corpos dos reis.

Depois de muitas horas, sentamos para desfrutar um poco do “dolce far niente”, olhando com desconfiança aqueles corvos que me faziam lembrar aquela velha película do Hitchcock, e uma maravilha da engenharia, a Ponte de Londres. Oh, ponte lindona! Desde a Torre de Londres a visão era perfeita. Ela atraia o olhar de tal maneira que não resistimos e cruzamos pela dita cuja. Para andar até tarde da noite, seguindo um velho roteiro das pegadas azuis.

Torre de Londres Torre de Londres

Foi tudo lindo e maravilhoso, mas quando voltamos ao hotel eu tinha os pés destroçados. O sapatinho lindo e preto, era o estilo bonitinho, mas ordinário. Nunca tinha me dado nenhum problema em Curitiba, mas no primeiro dia da viagem me fez ver estrelas. Também em Curitiba eu levava os pés de um carro a outro, naquele fatídico dia, os pés é que tiveram de me levar, nem preciso dizer que virei a piada da viagem. E como toda história que se preza tem uma moral, a minha é a seguinte: “Antes muerta que sencilla”.

No próximo post, tudo que você precisa saber antes de visitar a Torre de Londres.

“Antes muerta que sencilla” é o estribilho de uma canção espanhola, para escutá-la clique aqui.

Posts relacionados:
Hotel em Londres
Estudar inglês em Londres: Método Callan

imagens: archivo_turomaquia_1999

2 Comentários

  1. Oscar - MauOscar

    Tudo continua igualzinho… Me senti lá no seu lugar há 2 semanas atrás… rsrsr:D

    responder
  2. Patricia de Camargo

    ë uma loucura, né?! Pretendo voltar no próximo ano!beijos

    responder

Siga o Turomaquia no Instagram

Instagram

  • Mesmo com o clima de ontem, que chove, que vem neblina, desfrutamos da etapa mais bonita do bike tour. 
Foram 40 km entre castelos, bosques que pareciam encantados e o clímax chegou na região de Wachau com seus vinhedos e povoados lindos pra dedéu.

Hoje o bike tour termina em Viena 😫 Mas a viagem não 😉

#biketour #donau #danubio #biketourdanubio #austrialovers
  • Pavilhão barroco nos jardins da Abadia de Melk. O complexo é Patrimônio Mundial da Humanidade. 
Este edifício é todo decorado com afrescos em seu interior. Mostrei nos Stories do @arte_365 
A entrada do complexo custa 12,50€ ou 14,50€ com visita guiada de 50 minutos. Não tem em português, mas em espanhol, italiano e inglês.

#melk #abadiademelk #patrimoniomundial #austrialovers #biketour
  • Cidade do caminho de hoje - Mauthausen. 
Foram 65 km em 4 horas de bici 🚴🏽‍♀️🚴🏽‍♀️🚴🏽‍♀️🚴🏽‍♀️ #biketour #mauthausen #austrialovers #austria🇦🇹 #danubio
  • Parece pintura, mas é o cotovelo do Danúbio visto do mirante “Schlögener Blick”. Schlogen foi onde começamos nosso passeio de bici que vai nos levar até Viena 🚴🏽‍♂️🚴🏽‍♂️🚴🏽‍♂️ #biketrip #schlogen #austrialovers #danubioriver #donau
  • Esperando o embarque para Schlogen. Vamos de barco até lá e depois mais 52 quilômetros de bici até Linz. Vou tentar mostrar tudo nos Stories 🚴🏽‍♀️🚴🏽‍♀️🚴🏽‍♀️ #passau #biketrip #schlogen @romantische_donauschifffahrt #boattrip
  • Que lugar!!! Adorei a ida aos castelos do Rei Ludwig II. É um bate e volta meio cansativo porque são 2 horas de trem e outras 2 para voltar, mas o dia foi inesquecível. 
Estávamos em 3 e o bilhete de trem ida e volta para o grupo custou 37€. A entrada para os dois castelos 25€ por pessoa. Em Füssen esperando o trem, tomamos meio litro de radler a 3,50€. Engraçado que curto mais o tour pelo castelo menos famoso, gostei mesmo do Neuschwanstein por fora, mas isso é gosto e já sabe né, gosto não se discute, como máximo se lamenta 🤣🤣🤣 #neuschwastein #fussen #castle #alemanha🇩🇪 #castelos

Follow Me!