• O que fazer em Curitiba
  • Guia Museu do Prado
  • Saiba + sobre o Caderno de Viagens

Perdão e reflexão (A Saga do Caminho 4)

Postado em 16.setembro.2006

Ânimo refeito! Antonio meio sonolento, os múltiplos roncos lhe haviam despertado pela noite. Por isso outra dica: levar tampões de ouvido.

Caminho de Santiago
A subida não foi difícil, e chegamos felizes da vida ao Alto do Perdão, que abrigava antigamente uma pequena igreja e um refúgio de peregrinos. Tiramos foto no monumento de ferro construído em 1996, fizemos um filme, e comemos para carregar as pilhas para o verdadeiro desafio do dia: a descida!!! Continue lendo »

eu x eu (A saga do Caminho 3)

Postado em 12.setembro.2006

Despertei com dor, e o corpo não querendo saber de caminhar. E logo no dia que chegaríamos a barreira dos 30 Km. Volto a insistir, só faça o caminho com teu ser amado se o vosso amor já está consolidado ou se ele/ela é um anjo na terra, porque sinto informar que caso contrário a relação vai terminar antes que você abrace a Santiago!

Os primeiros 6 Km até Larrasoaña foram intermináveis. O povoado é muito charmoso, e suas origens remontam à Alta Idade Média. Aqui passou algo milagroso, meu humor melhorou muito, mas segundo Antonio o milagre tem nome e apelido: comida + bom serviço.

O bar está a 500 metros da entrada da cidade, mas vale a pena andar este tramo e parar um pouco por aqui para comer o delicioso “bocadillo” (sanduíche de pão com diversos recheios) de tortilla de chorizo (tortilla = fritada; a fritada com batatas se chama “tortilla espanhola”). E para minha surpresa, o dono do bar conhecia Curitiba, não porque visitou a cidade, mas porque têm muitas amigas curitibanas. E de repente, este homem diz a Antonio: “Cuidado, as mulheres de Curitiba são dominadoras, são verdadeiras leoas!”. No bar estavam outros peregrinos, e assim em boa parte do caminho de vez em quando escutava brincadeiras sobre a leoa curitibana.
Caminho de Santiago Continue lendo »

Dificuldades … (A Saga do Caminho 2)

Postado em 08.setembro.2006

Às 6:00 da manhã, as luzes paulatinamente se acendem, e uma música ao estilo gregoriano ressoa pelo albergue. Estamos na parte de cima de umas bicamas, e despertamos com nossos outros 98 companheiros. Dormimos em um antigo “hospital” de peregrinos. Os hospitais de peregrinos eram os refúgios dos antigos caminhantes de Santiago da Idade Média.

Despertei sem nenhuma dor, e aquela música me fazia sentir em um tempo distante em que os peregrinos corriam perigo de vida ao realizar o Caminho a Santiago. Começava a rotina de dormir nos albergues. Algo que se acostuma rapidamente. Recolher o saco de dormir, reunir a roupa, a pasta e escova de dentes e ir até o banheiro. Voltar, arrumar a mochila, passar um creme nos pés, e colocar as duas meias.

Sim,duas meias, e não é outra besteira! Isso pode ser decisivo no tipo de caminhada que você vai fazer. A primeira meia é de nylon, e se calça ao avesso, para que nenhuma dobra venha a roçar o teu pé, porque qualquer roçamento pode gerar uma bolha. E você já caminhou com uma bolha? Eu até então nunca, e é (com o perdão da palavra, mas é a que melhor se encaixa) uma merda! E a segunda meia, é uma meia normal de esporte, que protege teu pé dos possíveis roçamentos com o tênis.

Ao sair de Rocensvalles já demos de cara com uma antiga cruz do século XI. O caminho está repleto de cruzes. Elas muitas vezes te avisam que está no caminho certo, ou seja, é um aviso de fé e de orientação. O caminho não é só um ato religioso para muitos. Também é uma forma de fazer turismo barato, mas até aqueles incautos que chegam com apenas este objetivo são tocados por esta antiga via apia romana.
Caminho de Santiago

Estamos em uma das mais ricas comunidades autônomas espanholas– Navarra. Os povoados são lindos, as casa saídas de contos de fadas. E eles aqui também falam euskera, o idioma do País Vasco, por questões históricas. Ao se conhecer a história de Espanha se compreende porque existem tantos idiomas e outras diferenças culturais. Foram povos que se uniram por guerras, por acordos. No caso de Navarra foi por um acordo, tanto que até hoje eles mantém algumas diferenças em relação às outras comunidades porque conquistaram certos direitos através do acordo de união com o Reino de Aragón.

Voltando ao caminho. O segundo dia começava a 950 metros de altitude, entre várias subidas e descidas, ao final do dia estaríamos a 550 metros. Eu como uma louca começo a descer mais rápido, e o inevitável acontece, quase chegando a Zubiri (nossa próxima parada) o joelho esquerdo diz: “Chega!”. Começo a sentir uma forte dor atrás do joelho, dizem que tive uma sobrecarga, só vou saber quando for na próxima semana ao ortopedista. Bem, não importa muito, o fato é que doía! Tive que caminhar cerca de 5 km, com a perna esquerda estendida. Imagina: caminhando sem dobrar o joelho esquerdo, a que velocidade se caminha!? Continue lendo »

Tudo que é bom … (A saga do Caminho 1)

Postado em 05.setembro.2006

Caminho de Santiago

Chegar a Saint-Jean-Pied-De-Port não é nada fácil ! Mas nossos avós tinham razão, normalmente o difícil é mais gostoso! Se você decidir começar o Caminho de Santiago desta pequena cidade francesa não vai se arrepender, porque no primeiro dia vai cruzar os Pirineus.

Cruzar os Pirineus significa subir, subir e subir. Assim, se você é daqueles que o único esporte que faz é jogar um futebolzinho com os amigos no final de semana ou andar com o namorado no Barigui, deixa esta etapa prá ela. Porque seram 20 Km de subida (ir de 200 a 1400 metros de altitude) e depois 5 Km de uma descida animal. Continue lendo »

A vida pode ser maravilhosa …

Postado em 16.julho.2006

Dia 2 de março: inesquecível! Todas as pessoas me diziam: “Sua maluca vai ao Brasil para uma formatura! Tá pineu!” Mas estas pessoas nem imaginavam a emoção que eu sentiria ao entrar no anfiteatro da UNICENP em Curitiba e receber o aplauso daquelas pessoas que tinham depositado sua confiança em mim, e me dado a honra de ser sua paraninfa. Recebi tantos beijos e abraços que podia morrer ali mesmo e que certamente todo aquele amor me levaria às alturas (seja lá aonde seja isso! Céu, outra esfera …)

Mesmo estando sem malas (perdidas no novo terminal do aeroporto de Barajas em Madrid – o famoso T4 – muito lindo! Veja foto ao lado), nada me pertubava depois daquela ovação, daqueles sorrisos e da adrenalina que me subia pelo corpo, imaginando como seria a noite!

Estava bastante nervosa, não queria defraudá-los, queria estar à altura de seus sonhos, expectativas, ilusões, sobretudo de seu talento. Entrei junto com Dario (coordenador do curso de Turismo) e do pró-reitor (ou algo assim, me perdoem, mas realmente não me lembro), do Boreu, do Nicolás (dois professores e amigos). Continue lendo »

Navidad Majorera

Postado em 05.julho.2006

Image00001

O Primeiro Natal com teu futuro marido e teus futuros sogros e cunhados é algo inesquecível! E no meu caso, este mundo a desvendar incluia uma pequena viagem de 4 horas de barco a outra ilha. Minha cunhada mora em Fuerteventura, e para esta ilha com 82 quilômetros de praia nos dirigimos um dia antes da grande comemoração. Fuerteventura possui as melhores praias do Arquipélago Canário. São impressionantes praias de areia branca e de água cristalina, mas com alguns detalhes: ventos fortes e água um tanto quanto gelada! Os ventos fazem com que receba anualmente etapas dos campeonatos de windsurf e kiteboarding. E a cor da água é indescritível, e sobretudo muito limpa! Esta ilha começou a ser fortemente explorada pelo turismo de massas somente nos anos 90, e tenta manter seu meio ambiente e paisagens.

Famosa como a ilha das cabras, que durante a Guerra Civil garantiram a sofrida sobrevivência de seus habitantes, e hoje produzem um dos melhores queijos espanhóis: o queijo majorero, “tierno” e muito saboroso. A principal motivação de sua demanda, segue sendo o sol e praia, seguido pelo Turismo Desportivo.

O turismo rural conta com pequenas cidades como Bentancuria, com sua igreja do século XV, e suas casinhas brancas, cactus floridos e gente muito acolhedora!

Voltando à minha aventura, a ceia natalina era bem diferente da brasileira, muitos frutos do mar, e porco assado! E o mais “triste”, os espanhóis não trocam presentes na noite do 24 para 25 de dezembro ( meu ser amado mais fantástico me deu um presente escondido dos demais!), e sim no dia 6 de janeiro – Dia de Reis. Porque foram os reis que levaram os presentes para o menino Jesus. As crianças escrevem cartas para um dos seus reis favoritos: Belchior, Baltazar ou Gaspar – os reis do Oriente!

Na noite de 5 para 6 de janeiro, o comércio fica aberto até de madarugada em algumas cidades, e todos saem para fazer as últimas compras, e aproveitam para encontrar e beber com os amigos. É uma noite com ruas lotadas. Bem, os espanhóis saem muito de casa, a vida se faz na rua! Mesmo com um frio de oito graus abaixo de zero, você sai na cidade de Madrid e as ruas estão repletas de pessoas. A Espanha é uma festa, como dizia Hemingway de Paris!!!!!!!!