• O que fazer em Curitiba
  • Guia Museu do Prado
  • Saiba + sobre o Caderno de Viagens

Dica de hotel de luxo em Praga | Mandarin Oriental Praga

Postado em 17.novembro.2014

5-estellas-150pppExterior recatado e interior impressionante, assim é o edifício que abriga o Mandarin Oriental de Praga. Esta dicotomia medieval do austero e do luxo não é obra do acaso, mas de uma das reconversões mais legais que vi nos últimos tempos, de um edifício medieval em hotel de luxo.
Exterior Mandarin Oriental Prague Continue lendo »

Dois amores e dois pintores enfrentados – Caravaggio x Baglione

Postado em 16.novembro.2014

viajando na arteNo Museu Gemäldegalerie separadas apenas por uma pseudo porta, duas telas de pintores que se conheceram e se odiaram. Na verdade um mais que o outro, que tinha inveja da técnica e da ousadia.
Gemaldegalerie - Berlim
O invejoso era Giovanni Baglione, o invejado Caravaggio. Este último revolucionou a arte. Utilizou um contraste claro-escuro dos mais violentos. Para pintar santos utilizou gente da rua. Para as virgens, suas modelos foram prostituitas. Desta maneira, os santos & cia. ganharam vida e dramatismo. Enfim, eram tão reais quanto podiam ser seus espectadores. Continue lendo »

Como é o passeio a Ayutthaya

Postado em 15.novembro.2014

A 85 quilômetros de Bangkok se encontra uma cidade que é um dos bate-e-volta mais legais desde a capital. Ayutthaya foi por 400 anos o “centro da Tailândia” muito antes de Bangkok, e chegou a abrigar mais de 500 templos. Em grande parte graças ao seu porto que mantinha relações comerciais com Europa, China e Japão.

Até que em 1769, os birmanos invadiram a “cidade impenetrável” (etimologia do seu nome), saquearam e destruíram. É chocante ver em algumas ruínas as estátuas decapitadas de Budas. Em 1868, os tailandeses conseguiram expulsar os birmanos que ainda andavam por lá, e também é desta época a fundação de Bangkok.

Ao ler sobre a cidade, imaginava um povoado tranquilo, mas nada mais distante da realidade este meu cenário pacato. A cidade é beeem esparramada, com bastante trânsito, e os templos não estão bem próximos uns dos outros.

Como circular por Ayutthaya

Na entrada da cidade, minha companheira de viagem negociou com um tuk-tuk. Eu não seria capaz, sou péssima na arte do pechinchar, mas ela rapidamente conseguiu reduzir o preço original para 900 baths, e só não continuou porque disse que minha cara era de tamanho espanto, que lhe fez retroceder, imagina a cena \o/

Pense na mordomia, carro + motorista gentil com mapa orientando onde comprar entradas e te esperando na porta dos templos + 4 horas de tour por R$ 70,00, ou seja, R$ 35,00 por pessoa.
Ayutthaya - Thailand
Prá quem está acostumado a andar de bici junto aos carros, alugar uma magrela é outra opção, e bem mais em conta, por volta de 40 ou 50 baths. Continue lendo »

O que significa para você fazer algo “como uma garota”?

Postado em 14.novembro.2014

Na verdade o #turopira desta sexta falava de ansiedade, Pollock e arte abstrata. Mas acabo de ver um video recomendado pela Gala Gonzalez no Twitter, e decidi que podia ser a melhor inspiração para todas nós garotas; para nossos pais, avós, irmãos, primos e amigos (Para ativar a legenda, é só clicar no ícono depois do relógio do lado direito).

Até quando teremos que lutar em dobro para sermos escutadas e para que nossas diferenças apenas sejam detalhes, e não enquadramentos que nos restringem para toda uma vida. A linguagem é tão importante, e acabamos caindo em suas armadilhas, você aí mulher olhando a telinha, não ria mais destas piadas de loiras, e nem concorde com homens que dizem que isso ou aquilo não é coisa de mulher. Se é coisa tua ou não, depende unicamente de você, e não do teu sexo. Não julgue outras mulheres pelo que elas vestem, liberdade não significa apenas ir e vir, mas escolher a forma como se vai. Que diferença faz com quem cada pessoa faz sexo, o comprimento da sua saia ou seu perfume? Isso realmente vai mudar tua vida? Se tua resposta é sim, me desculpa mas teu problema é bem maior, e não sou eu quem pode te ajudar :(

Siga a gente no Instagram, clicando

Tanta informação, mas tudo parece tão igual

Postado em 13.novembro.2014

“Cuando nadie me ve
puedo ser o no ser cuando nadie me ve
pongo el mundo al revés
cuando nadie me ve no me limita la piel
cuando nadie me ve
puedo ser o no ser
cuando nadie me ve”
(Alejandro Sanz)

Em tempos de hiper-exposição quanto deixamos de fazer. Porque parece que já fizemos.

Em tempos de tsunamis informativos, já não existe atrevimento. As posições são de extremos, é fácil digitar por digitar, atingir o que parece que não está aí.

Em tempos de copia e cola, talvez nos falte “encerrarse tras puertas abiertas “, escutar nossas próprias ideias e jogar com enquadramentos de vértigo como o fotógrafo Chase Jarvis*.
Chase Charvis
Chase Charvis
* Chase Jarvis: um americano que parecia destinado à medicina, mas que herdou do avô suas câmaras, e descubriu sua paixão fotografando por Europa durante sua viagem do fim do colégio.
Veja mais obras deste artista, no site: http://www.chasejarvis.com

Este post forma parte da coluna: #turopira, publicada toda quinta e sexta-feira!

Quer ficar sabendo quando saem os próximos posts?
Então curta nossa página no Facebook, clicando aqui.
Siga o nosso Twitter @turomaquia.
Viaje com a gente no Google+ – google.com/+TuromaquiaViagens
Inscreva-se no nosso canal no YouTube, e seja o primeiro a ver nossos videos Turomaquia.
Veja nossas fotos no Instagram – Turomaquia.

O que é uma natureza-morta?

Postado em 12.novembro.2014

Na época do barroco e do rococó estavam de moda os quadros que mostravam objetos ou seres já sem vida. Eram quadros com frutas reluzentes, instrumentos musicais, animais mortos, queijos, etc.

juan-sanchez-cotan

As primeiras naturezas-mortas apareceram na Roma Antiga. Podemos vê-las nos murais de Pompéia. Naquela época, deveriam ser o mais real possível, para que os mortos pudessem utilizá-las no “outro mundo”. Continue lendo »