• O que fazer em Curitiba
  • Guia Museu do Prado
  • Saiba + sobre o Caderno de Viagens

O que fazer na terra natal de Verdi | Busseto

Postado em 09.maio.2014

Antes de tudo, dá o play, este post devia ser um podcast ;)

Ainda meio sonolenta da noite entre aeroportos, peguei o primeiro trem naquela manhã ensolarada em Bologna, e olha que acabava de chegar na cidade. Lutando contra o sono cheguei a Fidenza, onde 10 minutos depois saía o segundo trem com destino a terra de um dos homens mais amados pelos italianos. O homem que me fez cair de amores pela ópera.

Foi numa aula de música no Largo da Ordem em Curitiba que escutei por primeira vez uma ária de “La Traviata”, e o que muitos italianos me disseram que é seu verdadeiro hino, um coro de outra ópera, “Nabucco”.

Uma hora e quarenta minutos depois cheguei na pequena Busseto, por fim na terra do maestro, de um menino que aos 12 anos realizou sua primeira composição, Giuseppe Verdi. É colocar o pé na primeira rua da cidade que a vida se faz música. O rosto de Verdi por todos os lados, estampado em faixas que cruzam a rua principal; fora e dentro de restaurantes e lojas; na escultura da praça, e o mais bonito o amor profundo declarado por todos com quem conversei naquelas 6 horas que desfrutei da cidade que viu nascer a Verdi.
Busseto - Cidade onde nasceu Verdi Busseto - Cidade onde nasceu Verdi Continue lendo »

Road Trip pela Europa – Viena #roadtripEuropa

Postado em 08.maio.2014

road-trip-europa-asia-daniele-e-saddam-300ppp
18-19/08 – ÁUSTRIA
Durante esta viagem estivemos duas vezes em terras austríacas. A primeira apenas de passagem com nosso pais no dia 27 de julho, quando saímos de Vicenza rumo a Croácia. Passamos umas horinhas em Áustria, que estava no meio do caminho, e paramos para comer em um restaurante na estrada. Entre montanhas saboreamos a deliciosa comida do país e desfrutamos da hospitalidade do povo austríaco.
Austria 2 Continue lendo »

Como chegar à Reserva natural das Dunas de São Jacinto | Bate e volta desde Aveiro

Postado em 07.maio.2014

Como a gente come muito em viagem, e em contrapartida diminui a atividade física, eu e o Tom gostamos de colocar um trekking no nosso roteiro, uma forma diferente de conhecer um destino. Nesta viagem à Portugal, nossa primeira caminhada na natureza foi em Aveiro, ou melhor, na Reserva Natural das Dunas de São Jacinto.

Desde Aveiro pegamos um ônibus que nos levou até o Forte da Barra, e de lá pegamos o ferry, que vai meio sincronizado, para São Jacinto. O ponto de ônibus azul fica junto à ria, onde param a maioria dos moliceiros esperando os turistas. O bilhete de ida combinado custou 3,70€.
Aveiro | Portugal Aveiro | Portugal

Desde São Jacinto perguntamos a direção aos moradores e fomos caminhando até a Reserva, foram mais ou menos 1,2 km na estrada. Tranquilo, mas perrengue total se for com criança, e principalmente com carrinho de bebe. Daí é melhor alugar um carro para chegar até lá. Continue lendo »

Onde dormir em Aveiro

Postado em 06.maio.2014

A chegada em Aveiro foi linda, um céu azul da cor do mar e uma estação de trem que fazia o par perfeito com o dia. Caminhamos 300 metros até o Veneza Hotel, e a fachada bem cuidada impressionou.
IMG_0855

Aveiro | Portugal
Reserva
Lembrando que agosto na Europa é altíssima temporada, sendo assim fiz a reserva meio tarde, já em maio. Como selecionei uma oferta do consolidador, tive que realizar o pagamento no ato da reserva, e sem possibilidades de cancelamento.

Localização
Prá quem está viajando de trem é ótima, fica bem pertinho da estação dos comboios (trens) e a mais ou menos 1 km do burburinho da ria. Continue lendo »

Aveiro – o que fazer na Veneza de Portugal

Postado em 05.maio.2014

Sei que é jargão, mas o adjetivo gracinha é perfeito para Aveiro. O lugar conhecido como a Veneza Portuguesa, fica a 1 hora do Porto. A cidade nasceu em 959, e passou a vila no século 13, mas viu tudo ir por água abaixo quando em 1750 uma forte tempestade bloqueou a saída da ría ao mar. Se por um lado o comércio despencou, por outro se formaram grandes lagoas de água salgada parada que foram fonte de epidemias. Muita gente morreu, outros deixaram a cidade, que só voltou a erguer cabeça no século 19 quando reabriram sua saída ao mar. E em menos de 100 anos deu a volta por cima, o que é evidente quando se anda por suas ruas cheinhas de palácios modernistas estilo Art Nouveau, ou como os portugueses falam, Arte Nova.

Uma pequena lista de coisas para fazer em Aveiro

1. Prá quem curte arquitetura, o Roteiro Arte Nova é obrigatório. Ou prá quem curte casas coloridas e fotogênicas. O roteiro que começa no centro histórico junto à ría vai além da cidade e chega a percorrer 30 km.

2. Se matar de rir com as mensagens de duplo sentido dos moliceiros. Atualmente estes barcos de 15 metros, construídos em madeira de pinheiro, levam os turistas pela ría. Mas nasceram como barcos para a colheita e carregamento do moliço. Uma planta aquática usada como adubo na região de Aveiro. Para adultos, o passeio custa 5€, e para crianças 3,50€.
IMG_0875 IMG_0970 Continue lendo »

O que ver em Sevilha – Plaza España

Postado em 04.maio.2014

Plaza España - O que ver em Sevilha
Chegada. Primeira reação: respiração profunda. Segunda reação repetida inúmeras vezes: abrir e fechar de olhos. Típico reflexo de quando você fica frente a frente com algo tão grandioso, que chega a pensar que é um sonho. Neste caso um sonho de 50.000 m².

Sevilha é daqueles lugares em que você encontra a maioria dos tópicos espanhóis, ou onde a Espanha se faz mais Espanha. Mas esta praça que acabava de acelerar meu coração mostra que o país vai além de sevilhanas, flamenco e “lunares”, por mais que isso tudo seja importante.

A Plaza España é uma aula de história, arte e geografia. Um espaço suntuoso que rende um zilhão de fotos. A obra originalmente nasce para a Exposição Iberoamericana de 1929, um projeto do arquiteto sevilhano Aníbal González. Sua construção começa em 1914, e só termina 14 anos depois, ou seja, em 1928 \o/

Além de tudo é um lugar poético, já que a forma circular do edifício simboliza o abraço de Espanha, anfitriã da exposição. E o prédio “olha” em direção ao rio, por onde se saía para as Américas.
Continue lendo »