Guias de Viagem e Arte

 
 
abr 17 2013

Escher – o artista do impossível no MON em Curitiba

Um cenário ao final da rampa de acesso do MON delata que esta exposição vai além de uma mostra das obras de Escher. O que se pretende é que o público entre no mundo, e se não fosse um pouco utópico, na cabeça do artista.
Escher - no Mon em Curitiba

Além de tirar uma foto divertida onde uma pessoa parece um gigante e a outra bem baixinha, logo de cara, descobre-se a fascinação de Escher pela ilusão de ótica.
Escher - no Mon em Curitiba

Este holandês que nasceu lá no finzinho do século 19, e morreu quando eu tinha 2 aninhos entrou na faculdade de arquitetura (por imposição do pai), mas ao encontrar com um mestre da gravura, deixou tudo de lado e começou a fazer xilogravura e litogravura.

Fazer gravura de entrada acrescenta duas dificuldades, o que você vê na matriz (pedra ou madeira) na direita, na impressão estará na esquerda. O que se vê em relevo será negro, ou dá cor que se utilize para imprimir, e o que está abaixo branco, ou melhor, sem cor. Isso que pode parecer até meio bobinho, está bem longe disso. O artista tem que ter a idéia, mas antes de desenvolvê-la, pensá-la ao contrario, não é mole não!
Escher - no Mon em Curitiba

Maurits Cornelis Escher morou na Holanda, Itália, Suiça, Bélgica e viajou muito pela Espanha, onde se apaixonou pela Alhambra, o palacio mouro de Granada. Os padrões árabes repetidos levaram Escher a criar os ladrilhamentos, ou em português mais claro, a divisão do espaço de forma regular. Só que estes ladrilhamentos que podiam ficar em retângulos e losangos, viraram por exemplo diabos e anjos. O artista não era matemático e utilizava o famoso erro e acerto até encontrar a solução para seu problema, e foi assim que os ladrilhamentos além de dividir o espaço se transformaram em metamorfoses, onde peixes dão lugar a pássaros.Onde o negativo-positivo da gravura ganha outro sentido.
escher
Escher - no Mon em Curitiba

A exposição é um grande playground onde sentimos na pele os efeitos que ele coloca nas obras. Num retângulo de luz parece que pisamos num grande precipicio, é o mundo sem fim. Podemos até pegar o globo de metal e tentar fazer uma foto imitando a gravura onde vemos o senhor refletido na esfera e ao mesmo tempo sua mão que agarra a “bola”.
Escher - no Mon em Curitiba Escher

Por fim todos experimentamos arte, não apenas as crianças. A exposição está tão bem montada, que não tem idade, é legal para todo mundo. É universal como Escher.
Escher - no Mon em Curitiba

Lembro que na faculdade de artes muitas vezes nos referimos à Escher como o artista das escadas impossíveis, mas que nada era o homem dos mundos impossíveis.
Escher - no Mon em Curitiba
Escher - no Mon em Curitiba

Um filme em 3D com narração divertida nos coloca dentro destas arquiteturas que apenas podem existir na cabeça do artista. Talvez uma forma que ele enc ontrou de rir deste mundo, que chamamos real. O de Escher é chamado de impossível, mas é este mundo que deixa todos os visitantes sem fôlego e extasiados ao final da visita. Não dá para perder, o sucesso no primeiro final de semana foi tanto, que prorrogaram o tempo da mostra, que ficará aberta no MON até o dia 10 de agosto.
Escher - no Mon em Curitiba
Escher - no Mon em Curitiba Escher - no Mon em Curitiba

A entrada custa a bagatela de R$ 6,00, e R$ 3,00 para estudantes e tal. Maiores de 60 anos não pagam.

7 Comentários

  1. Patricia Papp

    Pati, que legais as fotos!

    Esta exposição é mesmo o máximo ne?

    Estou louca para ir de novo!

    beijos

    responder
    • Patricia de Camargo

      É o máximo mesmo!!! Eu vou outra vez antes do voo para Sampa 🙂
      Beijos

      responder
  2. Marilia Boos Gomes

    Prezada Patrícia, tudo bem? Escher é maravilhoso. Tive o privilégio de ser presenteada com uma cópia do 6º trabalho postado acima. Ele sabia que eu era apaixonada pela gravura que enfeitava uma das paredes de seu apartamento. Um belo dia, em meu aniversário, ele ma deu. Tive oportunidade de apreciar o trabalho inteiro – esta gravura é apenas uma parte – e fiquei mais encantada ainda. A exposição é uma oportunidade que não deve ser perdida. Cordial abraço.

    responder
  3. Marilia Boos Gomes

    Retificando a postagem: Um amigo sabia que eu era apaixonada pela gravura…
    Perdoe-me o equívoco.
    Abraço cordial da Marilia.

    responder
  4. Fabio Pastorello

    Adorei essa exposição quando estava aqui em Sampa. Ele é genial. E lógico, essa foto da pessoa gigante e da pessoa baixinha é divertidíssima de fazer. Abs.

    responder
  5. Luciana Betenson

    Nossa, que demais… Pirei nesta exposição! E acabei de descobrir que já esteve em São Paulo, faz séculos, eu nem morava aqui 🙁 Mas valeu, Pat, por dar este gostinho. Bjs,

    responder
  6. Carmen

    Escher tem essa sensibilidade, que procura criar o estranho. Ele persegue o mistério e isso é muito creativo.
    Algumas das suas impressões me lembrar de Piranesi, não sei porquê. Pode ser pelas imagens, em preto e branco, enigmáticas e cheias de suspense…

    Adorei o post!

    responder

Siga o Turomaquia no Instagram

Instagram

  • Uma das grandes experiências desta viagem: comer uma das “frutas” do grande @cedricgrolet 
O limão negro que eu comi é feito com um pequeno limão desta cor que vem do Irã após ficar um mês no deserto secando. 
O senhor que nos recebe na porta e que eu chamaria de chefe de sala, é um dos responsáveis em converter esta experiência em inesquecível. 
Não é um doce barato, mas vale cada centavo 😉

#cedricgrolet #parisfood #parislovers #doce #paris
  • Tão legal estar de bobeira e de repente, dar com ela 🤗 qual é teu lugar favorito para fotografar a torre?

#toureiffel #paris #parislovers
  • Esta belezura da foto já ganhou em 2014 o título de melhor madeleine de Paris. A madeleine é um bolinho com um toque de limão. 
Eu vim na Blé Sucré e comprei o pacotinho com 4 mais um expresso e paguei 5,50€. Comi na pracinha na frente da loja porque todas as mesas estavam ocupadas e posso te confirmar que é MARAVILHOSA 😍

Te dedico @curitidoce saudades de ti!

#blesucre #madeleine #parisfood #parislovers #foodporn
  • Hoje fiquei o dia inteiro no Louvre. A entrada sai por 15€, se quiser um audio-guia deve pagar 5€ quando compra a entrada. 
Peguei para testar como estava e fiquei brava. Quando estava super longe de onde tinha retirado, acabou a bateria. Fiquei com o dito cujo no pescoço por muito tempo sem serventia nenhuma. Ou seja, me entregaram um equipamento que não estava totalmente carregado.

Foi o museu onde o pessoal era menos amável e que menos ajudava. Uma pena ☹️ Claro que tem que ir, mas vá preparado. Eu posso te ajudar na tarefa 😉 sabe que eu escrevi um Guia do Louvre?
#louvremuseum #arte #paris #parislovers
  • Natal nas Galerias Lafayette ⭐️ #parislovers #paris #galerieslafayette #natal
  • Com quem foi sua viagem mais divertida? Aqui em Paris com a Ledinara, a cada passo, uma gargalhada é um zilhão de fotos 😂😂😂 #parislovers #paris #jardindetuileries #happymoments #amizade

Follow Me!