• O que fazer em Curitiba
  • Guia Museu do Prado
  • Saiba + sobre o Caderno de Viagens
Posts por Patricia de Camargo

Como faço para ir dos terminais 1, 2 e 3 para o T4 no Aeroporto de Madri

Postado em 20.abril.2014

Muita gente já me fez esta pregunta, e na minha última passagem pelo Aeroporto de Madri vi muito viajante perdidaço. Assim resolvi que o melhor era criar um post com fotos para este tópico.
Aeroporto de Madrid - Aeroporto de Barajas

Primeiro de tudo, o transfer é gratuito e 24 horas. Nos horários de pico um ônibus passa a cada 5 minutos, depois a frequência diminui para 10 minutos, e na madrugada para 20 minutos.

No T1, T2 e T3 a parada do ônibus está do lado de fora do terminal na zona de embarque, e no T4 na zona de desembarque. É fácil encontrá-la, é só seguir o sinal onde aparece um ônibus mais as palavras: Transito/Bus/Connecting.
Aeroporto de Madrid - Aeroporto de Barajas

Um pequeno poste com um cartaz onde se lê “Bus Transit” assinala o local da parada. Dentro do ônibus cada parada é anunciada em espanhol e inglês pelo sistema de som.
Aeroporto de Madrid - Aeroporto de Barajas
Aeroporto de Madrid - Aeroporto de Barajas Aeroporto de Madrid - Aeroporto de Barajas

Os terminais T1, T2 e T3 estão interligados, portanto dá para ir caminhando de um para outro. Já o T4 está apartado. Se você for embarcar no T4S, isso significa Terminal 4 Satélite. Mas não se preocupe, é só ir até o T4 fazer o check-in, e as placas te guiarão até o trem que te levará ao T4S.

Para saber mais sobre os serviços do aeroporto e as formas de ir para o centro da cidade, leia:
Saindo do Aeroporto de Madri – de metrô
Saindo do Aeroporto de Madri de trem da RENFE
Ônibus 24 horas desde e para o Aeroporto de Madri

fotos: turomaquia_2014

Compre agora guia impressão Compre agora guia ebook
Para conhecer o Guia do Museu do Prado, clique aqui.

Road Trip pela Europa – Sarajevo

Postado em 16.abril.2014

15/08 – BÓSNIA e HERZEGOVINA
No dia 15 de agosto por volta das 18:00 horas chegamos a Sarajevo, e por sorte entramos por um erro nosso em umas ruas com as marcas de guerras em uma série de edificações abandonadas, ques e encontravam “camufladas” detrás de umas árvores. Panorama bem diferente da entrada da cidade que é totalmente nova, ampla e moderna.
Bosnia 6
Bosnia 5
bosnia

Quanto mais entrávamos em Sarajevo, mais aumentava nossa surpresa, já que das últimas capitais que visitamos (Tirana/Albânia, Pristina/Kosovo e Podgorica/Montenegro), sem dúvida nenhuma, Sarajevo era a mais formosa e a única que nos pareceu autêntica. É uma cidade com aproximadamente 305.000 habitantes, e a mais povoada de Bósnia e Herzegovina, e esta região esteve habitada desde a pré-história.
sarajevo
Sarajevo 2

Vimos pela cidade edifícios danificados por morteiros e metralhadoras, e o Ponte Latino, onde se produziu o atentado de Saravejo em 1914, que levou à morte do arquiduque Francisco Fernando de Austria, e desencadenou a Primeira Guerra Mundial.

A cidade está repleta de monumentos, como mesquitas, igrejas, a Basarsija, a Universidade, o Teatro Nacional, o Museu Nacional de Bósnia e Herzegovina, que são bastante respresentativos da velha e da nova cultura do país.
Saravejo 6 Saravejo 4

O centro histórico está repleto de lojas e bares que ficam abertos até tarde da noite. A cidade me lembrou muito a León, já que lá também os cidadãos se misturam com os turistas, não há propriamnete “guetos” de um ou do outro lado, e isso é o melhor!
Saravejo 5

Fiquei com vontade de passar mais dias por lá e conhecer mais a fundo a cidade e sua cultura, e outras partes do país. E como Carolina (nossa filha) ainda não conhece o lugar, já temos uma boa desculpa para voltar ;)

Curiosidades Bósnia e Herzegovina: muita gente fala alemão, o que também é algo comum em Kosovo e Albânia. O carro que mais vimos circulando pelo país foi o Golf.

Para ler o primeiro post da série, clique aqui.

argumento, texto e fotos: Daniele Leoz – 2013

Quer ficar sabendo quando saem os próximos posts?
Então curta nossa página no Facebook, clicando aqui.
Siga o nosso Twitter @turomaquia.
Veja nossas fotos no Instagram – Turomaquia.

Onde dormir em Bangkok – Centre Point Silom

Postado em 15.abril.2014

Minha segunda hospedagem em Bangkok foi no mesmo bairro de Silom, mas desta vez num 4 estrelas da rede Centre Point.

Reserva
Realizei pelo Booking, mas como era uma oferta paguei no ato sem possibilidade de cancelamento e devolução do money. Só dá para fazer isso, se você tem certeza que vai viajar, e eu somaria se o país é politicamente estável. Normalmente, fico atenta a estas ofertas, mas depois do que passou uns meses antes da viagem a Bangkok com as manifestações nas ruas, comecei a pensar duas vezes antes de contratar uma tarifa tão legal, mas que dificulta o cancelamento de uma viagem sem custos.

Com tudo que saía na mídia, eu e a Lu mudamos algumas coisinhas na programação, e como nosso voo no dia 6 para Sukhothai era bem cedinho, resolvemos que era mais prudente dormir perto do aeroporto. Imagina se acontecesse uma manifestação durante a noite e não conseguissemos sair de madrugada para pegar o avião. Então escrevi para o Booking explicando a situação, e pedindo para alterar as datas da reserva sem custo. Pasmem, o hotel aceitou numa boa, mas quem negociou foi o próprio consolidador. Ponto para os dois!

Localização
Excelente, está ao lado do Skytrain, e dos ferries que vão até os templos mais famosos de Bangkok, ao Asiatique e a um bando de outros lugares. Praticamente você não vai precisar de táxi ou de tuk tuk para nada. E eu como não curto stress logístico em viagem, adorei! No skytrain uma placa indica a melhor saída para o hotel, que aliás se vê desde a plataforma do trem. Está do lado de um shopping com Starbucks para os viciados, e de um 7eleven que é a bomba por estas bandas, lá você encontra de tudo, e com um preço ótimo.

Como foi minha estadia
Cheguei por volta das 8:30, e o atendente que foi super amável disse que se eu quisesse um early check-in era só pagar 50% a mais da diária. Claro que eu não quis, e ele disse que apesar do check-in ser às 14:00 horas, meu quarto estaria disponível a partir das 11:30. Deixei a mala no hotel, e sai pra rua.

O quarto já estava pago, mas tive que deixar uma caução no cartão de crédito no valor de 3000THB. No check-out eles fizeram o cancelamento desta caução e me deram o comprovante correspondente.

O quarto era imenso com vistas ao rio. Mas na minha opinião estava clamando por uma reapassadinha. Por exemplo, a cozinha não tem um super aspecto, não convida a cozinhar ;) São pequenas coisas, como um risco junto ao móvel da televisão e bocas de fogão precisando de uma limpeza mais detalhada, mas que comprometem, já que se trata de um 4 estrelas! Isso não significa que não curti o hotel. Mas quando se contrata um 4 estrelas, a expectativa é grande. Apesar de tudo, adorei o lugar!
Hotel Bangkok | Hotel Centre Silom
Hotel Bangkok | Hotel Centre Silom
O banheiro acompanhava o quarto em “grande formato”. Para que você faça uma idéia tinha uma ducha enorme e uma banheira em lados opostos.
Hotel Bangkok | Hotel Centre Silom Hotel Bangkok | Hotel Centre Silom
Hotel Bangkok | Hotel Centre Silom
Agora quer saber a parte mais impressionante do quarto? A vista para o Rio Chao Phraya \o/
Hotel Bangkok | Hotel Centre Silom
O café da manhã junto à piscina e ao skyline de Bangkok era espetacular. Um brunch diário, com excelente atendimento de mesa. Se é para ser chata, a única coisa mediana de tudo que comi, e olha que provei quase tudo, foi o café. Mas não estava ruim, apenas era do estilo americano, ou seja, aguado.
Hotel Centre Point Silom | Hotel Bangkok
Hotel Centre Point Silom | Hotel Bangkok Hotel Centre Point Silom | Hotel Bangkok
Hotel Bangkok - Centre Point Silom
O sinal wi-fi era gratuito, bastava com pedir uma senha na recepção, e era ótimo em todo o hotel. Inclusive no quarto, subi videos e fotos sem nenhum problema. Uma mesa de trabalho no quarto funcionava como paraíso para aqueles que precisam trabalhar até nas férias :(

O pessoal da recepção era muito amável, e o lobby do hotel era lindíssimo, o chamado luxo asiático. E o Centre Silom fica a um pulinho do bar mais cobiçada da cidade, o Sirocco ( no último andar do Hotel Lebua). Aquele que apareceu no filme “Se beber, não case”.

Relação custo x benefício
Excelente. Paguei THB 8976 por 3 diárias em quarto duplo com café-da-manhã, numa região de Bangkok perfeita para turistar. Que seriam U$ 278,11 (U$ 92,70/noite) ou R$ 616,91, sendo R$ 205,63/noite e R$ 102,81 por pessoa. Recomendo e voltaria a me hospedar no Centre Silom.
centre-point-silom
Para reservar clique aqui, e para ver outros hotéis em Bangkok, clique aqui.

Veja como era o outro hotel em que me hospedei em Bangkok:
Hotel BBB em Bangkok – Bossotel

fotos: turomaquia_2014

Road Trip pela Europa – Montenegro #roadtripEuropa

Postado em 09.abril.2014

14-15/08 – MONTENEGRO
Dia agitado, depertamos em Scopje (macedônia), visitamos Pristina (Kosovo), pela tarde passamos pela Albânia para chegar de noite em Montenegro. A viagem desde Kosovo a Montenegro foi bem interessante, porque quando passávamos por Albânia nosso GPS nos mandou para uma estrada que acredito que fosse “terciária”, o tipo de estrada que te dá medo só de pensar no que vem a continuação. Uma via cheia de pedras, terra e buracos e não vimos nenhum carro no tempo em que estivemos nela, até que resolvemos dar meia volta e encontrar um caminho mais seguro. Chegamos a Budva (Montenegro) por volta das 23:00 horas.

Depois de uma bela noite de descanso em nosso pequeño hotel de frente para a Praia de Budva saímos cedinho, porque tínhamos pela frente um longo dia :)
Budva Montenegro

Margeando o Mar Adriático chegamos a Podgorica mais ou menos às 8 da manhã. A capital de Montenegro é uma cidade pequena, com 150.000 habitantes e sem atrativos. Passeamos por suas ruas, por alguns monumentos e terminamos a visita com uma café com leite delicioso em uma “taquería” do centro. Pouca gente fala inglês por lá e não se vê pobreza na capital ou pelas outras partes que atravessamos do país.
Montenegro podgoriga montenegro 5
podgoriga montenegro 6 podgorica montenegro 3

Com o café dissemos adeus a Montenegro com destino a Podstrana (Croácia) passando por algumas fronteiras (Montenegro/Bósnia, Bósnia/Croácia e Croácia/Bósnia, Bósnia/Croácia), e visitando cidades como Dubrovnik (Croácia) e Saravejo (Bósnia e Herzegovina).
montenegro 2

Para ler o primeiro post da série, clique aqui.

argumento, texto e fotos: Daniele Leoz – 2013

Quer ficar sabendo quando saem os próximos posts?
Então curta nossa página no Facebook, clicando aqui.
Siga o nosso Twitter @turomaquia.
Veja nossas fotos no Instagram – Turomaquia.

Gastronômade, uma experiência dos 5 sentidos

Postado em 08.abril.2014

Espaço singular, gente bacana e comida fenomenal. A junção destes 3 elementos define o Gastronômade que experimentei no domingo. O conceito chegou ao Brasil das mãos da Renata Runge, que quis trazer ao país o projeto do chef norteamericano Jim Denevan – Outstanding in the Fields.

É uma forma de experimentar produtos locais de excepcional qualidade, transformados em iguarias gastronômicas por chefs da talha de Helena Rizzo ou Roberta Sudbrack. E se isso já não fosse o must, o entorno escolhido para a experiência é sempre um espaço apropriado da natureza ou da grande cidade. Quem sabe uma estação de trem abandonada como a de Antonina, o andar superior do Mercadão de Sampa. Ou uma fazenda cheia de história e muito verde.
Sin título Sin título

Já tinha lido posts e artigos dos eventos que vem acontecendo desde 2012, mas no domingo estive no Castelo do Batel, num céu azulzissímo, e numa Curitiba que foi a anfitriã perfeita!
Sin título Sin título

As pessoas começaram a chegar ao redor das 13:00 horas, eram recepcionadas com uma taça de Garibaldi Prosecco geladinho. A mesa colocada nos jardins era linda sem ser arrogante, detalhe que cria um ambiente propício para jogar conversa fora. De repente como se de uma orquestra se tratasse, começam a sair os 4 aperitivos, e os sucos de acerola e maracuja orgânico da Verde Brasil. Apaixonei pela casquinha crocante com creme de aspargos.
Sin título

Antes de começar a degustação dos pratos principais, somos levados pelo Marcelo Lupion pelas entranhas do edifício. E não tô exagerando não, porque para minha surpresa o momento boca aberta babando, veio com a subida ao sotão, inteirinho pintado pelo pintor conhecido como o “Van Gogh Paranaense”, o auto-didata Miguel Bakun. Ele praticamante morou no castelo por um ano entre 1949 e 1950 enquanto realizava os murais. Eu não podia acreditar no que estava vendo.
Sin título Sin título
Sin título
Sin título

Ainda meio tonta, sento na mesa e é servida a sopa de pinhão dentro de um mini pão italiano, com espuma de alho poró. Eu podia repetir e repetir. Ainda mais com o acompanhamento do Garibaldi Brut Chardonnay. E tudo ficou ainda mais legal quando a Dona Vera Lupion (sentada na minha frente) nos contou que era uma receita familiar que o chef Hermes Custódio havia reinventado.
Sin título

O segundo prato e o meu segundo favorito ;) foi o role de tilapia com gratin de palmito pupunha, o peixe derretia na boca. Depois veio a carne com ravióli de Duxelles, que estava ótima, mas neste passe o mais chocante era o vinho premiado, Acordes Merlot 2011.
Sin título
Sin título

A sobremesa era refrescante, uma sopa de morangos com uma bola de sorvete de manjericão. Nada daqueles finais super doces que quebram todos os sabores anteriores, ou seja, perfeito :)
Sin título

O cafezinho veio acompanhado com delicados doces. Enquanto isso, o chef e sua equipe explicavam os pratos, e os comensales felizes com a boa mesa e bom papo recebiam umas pequenas lembranças daquela experiência que durou 4 horas, mas que já deixou saudades!
Sin título

Ficou com vontade de envolver todos teus sentidos numa experiência única? Fique de olho no site oficial do projeto: http://www.gastronomadebrasil.com

Fui convidada a participar do Gastronômade pelo pessoal do blog de viagens Nós no Mundo, que já cobriram o evento em diversas oportunidades. Dá uma lida nos posts deles para ver que minha empolgação está totalmente justificada ;)
Gastronômade e jardins do Castelo do Batel: combinação perfeita!
Gastronômade DF: alta gastronomia na Fazenda Velha
Gastronômade Brasil: um banquete ao ar livre
Gastronômade Brasil: pela segunda vez um sucesso no Distrito Federal

Para ver mais fotos do evento, visite nosso Facebook ou nossa página no Google +.

fotos: turomaquia_2014

Road Trip pela Europa – Macedônia #roadtripEuropa

Postado em 30.março.2014

road-trip-europa-asia-dani-e-saddam-300ppp

13-14/08- MACEDÔNIA
No dia 13/08 saímos da Albânia às 14:40 horas e às 17:00 horas já nos encontrávamos na fronteira com Kosovo. Na alfândega de Kosovo, o policial (que foi bastante simpático) nos informou que tínhamos que descer do carro e contratar o seguro obrigatório para poder circular com o carro pelo país (30€). Pagamos e já assegurados, passamos pela fronteira sem maiores problemas. O mais curioso é que as estradas junto às montanhas eram melhores do que as demais :( Kosovo seguro Passamos por vários restaurantes italianos, por umas casas bem bonitas, mas nos chamos atenção a sujeira que havia por todas as partes. Dava a impressão que as pessoas iam de piquinique ou de pescaria e deixavam seu rastro de lixo esparramado pela natureza. Uma pena, tanta beleza natural e tão pouca consciência ecológica. Por volta das 19:00 horas chegamos em Skopje, capital da República de Macedônia. A cidade é espetacular, principalmente de noite com todos os monumentos iluminados. Ao lado do rio Vardar se encontram um montão de restaurantes, e a noite é bem animada! macedonia 11 macedonia 6 macedonia 10 macedonia estatua
No dia seguinte (14/08) andamos pela cidade e com a luz do dia percebemos que é uma cidade bastante nova e ainda em construção. Mas devo dizer que o conjunto de monumentos, estátuas, pontes é realmente bonito. Macedônia era um país que queríamos conhecer, porque um dos sobrenomes do Saddam é de Macedo, e este era o lugar de origem de tal sobrenome. Tínhamos muita vontade de pisar na terra de seus antepassados. macedonia 12 Na hora do almoço nos dirigimos à Podgorica (Montenegro), mas antes passaríamos por Kosovo, para conhecer a capital, Pristina. E depois de cruzar 3 fronteiras (Macedônia/Kosovo; Kosovo/Albânia e Albânia/Montenegro) chegaríamos mortinhos da silva no hotel.

argumento, texto e fotos: Daniele Leoz – 2013

Para ler o primeiro post da série, clique aqui.
Seguinte post: Montenegro

Quer ficar sabendo quando saem os próximos posts?
Então curta nossa página no Facebook, clicando aqui.
Siga o nosso Twitter @turomaquia.
Veja nossas fotos no Instagram – Turomaquia.

Últimos Comentários