• O que fazer em Curitiba
  • Guia Museu do Prado
  • Saiba + sobre o Caderno de Viagens
Posts por Patricia de Camargo

Mucha, o modernista tcheco | Para antes de visitar Praga

Postado em 30.janeiro.2015

Alphonse Mucha nasceu em 1860, num povoado onde atualmente seria a República Tcheca. Destinado a ser padre, até que a mãe lhe viu desenhar, o que foi suficiente para dar uma alterada neste destino ;) Como adorava o teatro seu primeiro trabalhou foi a criação de cenários, figurinos e iluminação para uma companhia da sua cidade, e foi assim que conseguiu uma bolsa de estudos. Primeiro para Munique ser ajudante de cenografista. Depois para Viena estudar ilustração e acabou em Paris. Onde começou a trabalhar como desenhista em uma gráfica que fazia cartazes publicitários.

Numa semana natalina a gráfica recebeu uma encomenda super importante de uma das maiores atrizes da época, Sarah Bernhardt, e como os demais desenhistas estavam de férias, o dono do lugar Champenois pediu que ele fizesse o cartaz para a peça Gismonda da atriz. Quando ele mostrou o trabalho final, Champenois quase teve um treco, lhe parecia horrível \o/
Alphonse Mucha - Arte
Primeiro era retangular e alongado, e eles até então faziam todos os cartazes quadrados. O costume era colocar os textos em cima ou embaixo, Mucha colocou em ambos lugares, e o desenho em si não lhe convencia, mas como não tinha alternativa mostrou à Sarah, que simplesmente se apaixonou, e fez um contrato de exclusividade de 6 anos com o artista. Além de dezenhar seus cartazes, ele acabou criando também suas jóias e roupas.

Os cartazes foram um sucesso retumbante, tanto que o pessoal arrancava os ditos das paredes para levar prá casa. Todas as demais atrizes queriam a Mucha* como su desenhista, ele ficou mega famoso.

Mucha realizou cartazes publicitários para empresas como a Moet Chandon. Foi o primeiro artista a fazer merchandising, a colocar seu nome em uns sabonetes, ademais de desenhar a embalagem para a venda. Este artista pouco conhecido do grande público, também foi fotógrafo.
Alphone Mucha - modernismo tcheco
Lembra que ele fez jóias para Sara Bernhardt?! Mas todas as mulheres enloqueciam com seus desenhos e queriam comprar suas jóias. Desenhou uma joalheria, tanto o espaço interno como a fachada. Realmente era um artista multifacético!

Na obra de Mucha as mulheres são sempre protagonistas, mesmo quando aparece um homem, ele se encontra em segundo plano. As mulheres sempre se encontram envolvidas com elementos naturais, como flores, frutos, folhas. Aliás esta é uma característica do modernismo, que é o movimento cultural da época de Mucha.
Alphone Mucha - modernismo tcheco
Também perceba que utiliza alguns elementos em todas suas obras, como o círculo acima das cabeças das mulheres. Ou usa triângulos, o número três, e sabe por quê? Ele era maçom, e utilizava alguns destes elementos como comunicação secreta com outros maçons!
Alphone Mucha - modernismo tcheco
Lembra que eu falei que ele tinha nascido no que hoje seria a República Tcheca, quando seu povo que está subjugado por outro consegue a independência, Mucha realiza vários painéis super grandes, de seis por oito metros que ele chamará de “Epopéia Eslava” (papo prá outro post!). Para ele era o momento de lutar pela identidade eslava. Este cartaz ele realizou para a loteria nacional de seu país, o dinheiro arrecadado se destinava a construção de colégios nos quais as crianças pudessem aprender o idioma eslavo. Por isso, a menina (que é a filha do pintor) aparece segurando um caderno.

Alphonse Mucha - Arte

Leia todos nossos posts de Praga, clicando aqui.

Busque e reserve seu hotel em Praga, clicando aqui. Assim você conseguirá ótimos preços, poderá cancelar sem taxas sua reserva (excepto em alguns casos quando se tratam de promoções!) e ainda ajudará a manter atualizado este blog. Obrigada!

Nem pense em viajar sem seguro, a gente facilita as coisas te oferecendo um desconto de 15% \o/ Clique aqui, e para ganhar o desconto neste mês de janeiro, coloque o código: JAN15OFF .
Siga a gente no Instagram, clicando

* leia-se Murrá.

imagens das estações do ano: «Alfons Mucha – 1896 – Spring» de Alfons Mucha – Art Renewal Center Museum, image 4424. Disponible bajo la licencia Dominio público vía Wikimedia Commons – http://commons.wikimedia.org/wiki/File:Alfons_Mucha_-_1896_-_Spring.jpg#mediaviewer/File:Alfons_Mucha_-_1896_-_Spring.jpg

Nesta vida louca um pouco de arte #MuseumSelfie

Postado em 29.janeiro.2015

“Esta Vida Louca,
Com sua louca realidade”

Nos dias em que estes versos se fazem mais presentes, poucas coisas me acalmam. Sabe esta sensação de não poder mais, de que o mundo te esmaga, que seria bem mais simples erguer a bandeira branca e sair do campo de batalha?

Em dias assim pego as fotos de momentos com grandes mulheres e homens que recolhi pelo mundo. Na tela vão aparecendo Louise Borgeois, Anselm Kiefer, Anita Malfati, Tarsila do Amaral, Hélio Oiticica, Pollock, Duchamp, Picasso, e tudo vai recobrando sentido.

Cada um de nós tem suas defesas, seus “grandes”, mas posso dizer que a arte é reconfortante. Uma grande tela é como um ombro amigo. Um hiperlink com a humanidade.

Estas fotos são meu tesouro, e por isso e outras mil razões (fora do meu umbigo) que defendo piamente o direito de fotografar nestes centros da memória chamados museus. Afinal o que está lá é tanto meu quanto seu ou daquele vizinho chato que insisti em fazer barulho de madrugada. Não importa se você goste ou não, a arte é uma representação fidedigna do que fomos, somos e seremos.

Por isso aplaudo iniciativas como o #museumSelfie. Que já vai pelo seu segundo ano, e ao menos por um dia (21 de janeiro) as redes sociais se inundam de selfies que compartilham o protagonismo com pinturas, esculturas, instalações, fotografias, fachadas de museus, ou seja, de tudo um pouco, mas tudo tão arte.

Naquela quarta-feira pedi através de Twitter, Facebook e Instagram que os leitores e outros blogueiros me enviassem fotos (selfies ou não) com obras de arte ou em frente a museus. Com muita emoção este post coletivo é nossa homenagem à arte que “torna o mundo suportável” (Nietzsche).

Lucia Malla do Uma Malla pelo Mundo“É meu selfie no pilar arco-íristíco do meu museu predileto do mundo, o Bauhaus Archiv em Berlim! :)” | Luciana Malheiros do Dividindo a Bagagem - “Ela foi tirada no Museo de Arte Moderno de Trujillo fundado por um artista peruano (que eu não conhecia) chamado Gerardo Chavez. Ele está vivo ainda :-)”.
Lucia Malla LRM 534 Continue lendo »

Roteiro de 3 dias em Praga

Postado em 25.janeiro.2015

Praga é daquelas cidades onde simplesmente caminhar por suas ruas já é um baita programa! Os pontos turísticos superstar estão concentrados e qualquer pessoa com o mínimo de sentido de orientação em menos de 24 horas já sente confiança para explorá-la. Antes de que você caía na tentação de ir de café em café (o que não é má ideia!) veja este roteiro de 3 dias por uma das grandes cidades monumentais da Europa.

Começando por …
Como sair do aeroporto
Como se locomover por Praga de tram e metrô Continue lendo »

4 videos para inspirar, pensar e rir um pouco

Postado em 22.janeiro.2015

Resolvi compartilhar com você nesta entrega do #turopira, 4 videos que assisti aquí na Espanha nos últimos dias. Para fazer rir; sonhar; tarantear uma trilha sonora para tua vida ou valorizar mais tuas pequenas conquistas.

Tudo é relativo, a máxima deste video, cuja estrela é o chef com 3 estrelas Michelin, David Muñoz. Para colocar um pouco de humor na tua vida ;) Continue lendo »

Four Seasons Hotel Ritz Lisboa – Hotel 5 estrelas em Lisboa

Postado em 20.janeiro.2015

5-estellas-150pppAtravesso decidida o lobby, pisando fundo com meu scarpin preto. Quero alcançar aquela mesa de onde brotam flores de uma cor rosa choque que parecem desejar o céu. Paro diante daquele espetáculo, mas imediatamente meus olhos se sentem magnetizados por Lisboa que surge entre os grandes cristais do fundo. Como bem revela o dicionário, isso é um luxo, “bem ou atividade que não é considerado necessário, mas que gera conforto ou prazer”.
Ritz Four Seasons Lisbon - Hotel perfeito em Lisboa
Vou ao bar esperar pela pessoa que vai passear comigo pelo Four Seasons Hotel Ritz Lisboa. Peço um chá gelado, que vem servido com uns deliciosos aperitivos. São 6 da tarde, música ao vivo e o bar ganha vida, muita gente se despedindo do sol, bebericando junto às sacadas de onde se pode ver até o Tejo.
Ritz Four Seasons Lisbon - Hotel perfeito em Lisboa Ritz Four Seasons Lisbon - Hotel perfeito em Lisboa
Visito um dos quartos que está pronto para receber seu próximo “morador”. Móveis de madeira escura contrastam com o tapete claro. Uma linda luz, que poucas cidades européias podem oferecer, entra loucamente pelos janelões da onde brota o verdejante Parque Eduardo VII, e uma tranquilidade que é difícil descrever. De plus, pastéis de belém, amenitities L´occitane, e um aplicativo com todas as obras de arte que estão pelo hotel, ampliando esta sensação de conforto e prazer, e lá vem outra vez esta definição, luxo!
Ritz Four Seasons Lisbon - Hotel perfeito em Lisboa
Ritz Four Seasons Lisbon - Hotel perfeito em Lisboa
Ana, minha ciccerone, uma apaixonada pelo hotel, me conduz a uma das áreas mais cinematográficas do Four Seasons Lisboa, a piscina. Um éden aquecido entre os 26ºC e os 28ºC. Não consigo pensar em melhor lugar para terminar o dia, depois de dar uma corridinha na pista outdoor ou na esteira da academia que se encontra no último andar do hotel, tendo como acompanhante esta velha conhecida, nossa Lisboa. Outro luxo.
Ritz Four Seasons Lisbon - Hotel perfeito em Lisboa
Ritz Four Seasons Lisbon - Hotel perfeito em Lisboa
A visita termina no Restaurante Varanda, onde o Sr. Licinio me ajuda na escolha dos pratos do Menu Português. Começo com uma salada de polvo e recheio de sapateira, gomas de gaspacho, peixinhos do mar, que em uma palavra, estava sublime. De principal vou com um dos pratos mais tradicionais da culinária do Algarve, uma cataplana. Que recebe o nome da panela onde se cozinham os ingredientes, que na minha escolha eram lavagante, camarões, ameijoas e coentros. A cada garfada, felicidade!
Ritz Four Seasons Lisbon - Hotel perfeito em Lisboa
Ritz Four Seasons Lisbon - Hotel perfeito em Lisboa
Ritz Four Seasons Lisbon - Hotel perfeito em Lisboa
Ritz Four Seasons Lisbon - Hotel perfeito em Lisboa
Terminada a sobremesa, o chá e os docinhos que o acompanharam, devo aventurar-me pela noite de Lisboa, mas não sem antes passar novamente por aqueles quadros, esculturas e flores do lobby balançando a cabeça para cima e para baixo concordando com o grande Pessoa, “Sinto a saudade mais perto.”

Ritz Four Seasons Lisboa
Está localizado do ladinho do Parque Eduardo VII, e próximo da Praça Marquês de Pombal.
Para uma data aleatória de março, encontrei no site do hotel: http://www.fourseasons.com/lisbon/ , diárias com café-da-manhã a partir de 385€. Caso prefira, também pode reservar via Booking, clicando aqui. Onde recebe a qualificação de: Fantástico.

Quer ficar sabendo quando saem os próximos posts?
Então curta nossa página no Facebook, clicando aqui.
Siga o nosso Twitter @turomaquia.
Viaje com a gente no Google+ – google.com/+TuromaquiaViagens
Inscreva-se no nosso canal no YouTube, e seja o primeiro a ver nossos videos Turomaquia.
Veja nossas fotos no Instagram – Turomaquia.

Realizei a visita e jantei no Restaurante Varanda, a convite do Fours Seasons Hotel Ritz Lisboa. Você que acompanha o Turomaquia sabe que eu prezo demais sua companhia, para alterar ou embelezar o que conto por aqui!

* Definição “luxo”, in Dicionário Priberam da Língua Portuguesa [em linha], 2008-2013, http://www.priberam.pt/DLPO/luxo

4 Lugares legais para comer em Curitiba | Um de sempre e 3 novidades

Postado em 17.janeiro.2015

Este #turobra teve muitos almoços e jantares familiares. Mas entre risadas e abraços dei algumas escapadas, mas ficou uma certeza, Curitiba está cada vez mais interessante.

Taj Bar

Não tem como não ir ao Taj ao menos uma segunda-feira em cada ida à Curitiba. Uma das melhores caipirinhas tradicionais da cidade, com a canela que só potencializa o sabor, acompanhada por um extenso cardápio de comida japonesa. Eu amo mesmo (me julguem!) as variações brasileiras sobre a gastronomia japa. Como o hossomaki filadelfia, envolvido numa leve tempura. E por que na segunda? Até às 18:30 tem 2×1 nos drinks, e a noite toda 50% na comida japonesa \o/

Onde fica: Avenida Bispo Dom José, 2302 – Batel (Só abre a partir das 17:30 horas). Compram couvert, mulheres pagam R$ 5,00; e homens, R$ 9,00.
Onde comer em Curitiba

Chokolat

Continue lendo »